19
fev
2018

É preciso debater e garantir a participação das mulheres mães

O 1º Encontro Nacional de Mulheres do SINASEFE está chegando! Por isso é importante que as seções sindicais e sindicatos filiados se organizem para enviar o máximo de companheiras a esse evento. Uma oportunidade de discutir temas fundamentais relacionados às mulheres trabalhadoras e às lutas contra o machismo, o racismo e a LGBTfobia.
A classe trabalhadora conta com aproximadamente 50 % de mulheres. Trabalhadoras negras, indígenas, quilombolas, lésbicas, bissexuais, transexuais, travestis, mães, que possuem somente sua força de trabalho, ajudam a manter as engrenagens do sistema capitalista funcionado. Reconhecer a diversidade das mulheres da classe é fundamental para que todas, considerando nossas especificidades, tenhamos espaço na luta contra as opressões. Queremos, portanto, dedicar algumas linhas às mulheres trabalhadoras que decidem dividir seu tempo entre a militância e a criação dos filhos.

A ideologia machista que rege a sociedade capitalista impõe às mães dilemas e barreiras que muitas vezes impedem sua participação nos eventos sindicais. Essas trabalhadoras lidam com obstáculos que vão dos mais práticos e concretos aos mais subjetivos. Por entender as necessidades especiais das mulheres mães, e a importância da participação delas na luta, o Encontro providenciará creche e recreação para crianças de todas as idades.
Sendo assim, queremos fazer um apelo às seções e aos sindicatos filiados: discutam a fundo a importância do Encontro de Mulheres e busquem formas de custear a vinda das companheiras que desejem participar do evento. Esse debate deve contemplar as mulheres mães que decidem dedicar parte de seu tempo às lutas. Portanto, a comissão orienta que os sindicatos e seções assumam, também, as despesas dos filhos das trabalhadoras que necessitem ou desejem levar seus filhos ao evento.

É importante que o Encontro Nacional de Mulheres seja um marco na história do SINASEFE. A entidade, mesmo expressando a diversidade da classe, faz parte de uma sociedade capitalista, que se utiliza das opressões para dar continuidade à lógica da exploração do trabalho. Logo, o machismo, o racismo e a LGBTfobia infelizmente se fazem presentes de forma constante no cotidiano do sindicato. Por isso, este Encontro se propõe a iniciar, de forma mais sistemática, as discussões referentes ao tema.

A categoria da Educação Federal tem grande importância no combate às opressões. Precisamos organizar as lutas contra a crise econômica e contra os profundos ataques, que contribuem para o aumento da violência e impõem uma situação ainda mais brutal aos setores oprimidos. É necessária a criação de espaços de elaboração política, e o 1º Encontro de Mulheres será um deles. Portanto, façamos a discussão em nossas assembleias nos locais de trabalho sobre a importância do sindicato custear as despesas com as crianças. Cada servidora, inclusive cada mulher-mãe-militante, do SINASEFE é fundamental para as lutas da categoria.