NotíciasPolítica

Análise de conjuntura do Dieese: crise sanitária e econômica persiste e se intensifica

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) lançou nesta semana a edição 27 de seu Boletim de Conjuntura. A publicação destaca elementos que indicam o agravamento da crise sanitária e econômica no país, com o aprofundamento do desmonte do Estado. “Em caminho oposto ao escolhido no Brasil, diversos países e Estados nacionais lançam pacotes bilionários de incentivo e apoio às pessoas e ao setor privado. Nesse momento de aguda crise sanitária e socioeconômica em escala global, reduzir a presença do Estado na economia e como provedor das políticas sociais e de cuidados afasta qualquer perspectiva futura de recuperação e desenvolvimento nacional.” explica o Dieese.

PIB de 2020, pauta do governo no Congresso e desocupação, desalento & desigualdade
O boletim nº 27 do Dieese está dividido nos seguintes tópicos (leia aqui a íntegra):

  • PIB 2020- Em 2020 o Produto Interno Bruto (PIB) caiu -4,1% em relação a 2019, a menor taxa da série histórica calculada pelo IBGE, iniciada em 1996. Houve alta apenas na agropecuária (2,0%);
  • Desocupação, desalento & desigualdade- A taxa de desocupação ficou em 13,9% no 4º trimestre de 2020 e, na média do ano, alcançou 13,5%, a maior desde 2012. Eram13,4 milhões de pessoas procurando trabalho no país. Enquanto a taxa de desocupação para os homens ficou em 11,9%, a das mulheres foi de 16,4%. Para os negros, chegou a 17,2% e para aqueles com ensino médio incompleto atingiu 23,7%. O número de desalentados no 4° trimestre de 2020, pessoas que desistiram de procurar emprego por não acreditarem que vão encontrar uma vaga, alcançou 5,8 milhões de pessoas, alta de 16,1% em relação a 2019 e também o maior contingente da série anual da Pnad Contínua.
  • Governo quer limpar a pauta no Congresso – O governo incluiu na pauta prioritária, apresentada em fevereiro aos presidentes recém-eleitos da Câmara (Arthur Lira, PP-AL) e do Senado (Rodrigo Pacheco, do DEM-MG), os seguintes projetos: Privatização da Eletrobras; Reforma Administrativa e Reforma Tributária; Lei do Gás; Autonomia do Banco Central (já aprovada); Conversão da pedofilia em crime hediondo; Regulação do registro, posse e comercialização de armas de fogo; Educação domiciliar de crianças (homeschooling); Mineração em terras indígenas;
  • Impactos econômicos da Operação Lava Jato- Segundo estudo realizado pelo DIEESE, a pedido da Central Única dos Trabalhadores, a operação Lava Jato fez o Brasil perder R$ 172,2 bilhões em investimentos e destruiu 4,4 milhões de empregos. Somente a construção civil fechou1,1 milhão de postos de trabalho, em consequência da operação deflagrada a partir de março de 2014. De acordo com o documento,a destruição de empregos foi extensa a ponto de atingir categorias de setores fora das cadeias produtivas mais atingidas (construção e petróleo e gás).

Baixe aqui a íntegra do Boletim nº 27 do Dieese (PDF com 9 páginas).

Conteúdo relacionado