Notícias

Autonomia universitária: SINASEFE manifesta apoio ao ex-reitor da UFPel, Pedro Hallal

O ex-reitor da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Pedro Rodrigues Curi Hallal assinou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) após criticar o presidente Jair Bolsonaro em uma transmissão ao vivo em janeiro. O termo foi publicado no Diário Oficial da União desta terça-feira (02/03).

Durante a transmissão, Pedro criticou a decisão de nomear a professora Isabela Fernandes Andrade, como reitora da UFPel. Ela era o segundo lugar na lista tríplice de indicações. O docente afirmou que quem “tentou dar um golpe na comunidade foi o presidente da República” e o chamou de “presidente com ‘p’ minúsculo”, acrescentando que Bolsonaro não manda “absolutamente, em nada na UFPel”. “Quem manda na UFPel é a nossa comunidade. O senhor é desprezível”.

O processo foi aberto pelo deputado federal Bibo Nunes (PSL-RS), que ingressou com uma representação na Controladoria-Geral da União (CGU). Na época, o deputado chegou a afirmar que tentaria a demissão do docente no processo. No entendimento da CGU, o Facebook e o YouTube foram considerados locais “de trabalho”, por serem meios digitais “de comunicação online disponibilizados pela universidade”.

As retaliações aparecem no momento em que o governo federal não quer nomear o candidato que obteve mais votos na consulta à comunidade acadêmica para reitoria da UFPel. Diante desse fato, nosso sindicato soma esforços na luta em defesa da autonomia universitária, contra qualquer intervenção.

O SINASEFE manifesta total apoio e solidariedade à comunidade acadêmica da UFPel e ao professor Pedro Hallal. Em um estado democrático não se pode admitir que aspectos políticos e ideológicos sejam justificativa para coagir cientistas que alertam para ações impróprias ou para inações por parte de agentes públicos dos diferentes níveis de governo. Não passarão!

*Texto publicado originalmente pelo Sinasefe SP

Leia também

“No futuro, vão se lembrar que professores foram processados por criticar o Governo Bolsonaro”, diz alvo de censura (El País)

Professor censurado já foi atacado por Bolsonaro e teve pesquisa boicotada (Congresso em Foco)

MEC interfere mais uma vez na autonomia das IFE e recomenda perseguição à comunidade acadêmica (Andes-SN)