Notícias

COVID-19: IFAL produz respirador mecânico de baixo custo

Um respirador mecânico de baixo custo e de fabricação mais rápida está sendo produzido por uma equipe liderada pelo professor Edison Camilo de Moraes Júnior, do Instituto Federal de Alagoas (IFAL). O equipamento, cujo protótipo ficou pronto no último domingo (12/04), foi desenvolvido para suprir a demanda de hospitais por aparelhos de ventilação mecânica para tratamento de pacientes com a COVID-19.

Batizado de Respiral, o ventilador mecânico levou 15 dias para ser produzido e tem valor estimado em R$ 5 mil. Esse aparelho é vendido a partir de R$ 50 mil em sites especializados. “A diferença é o preço de produção em relação aos do mercado. Em relação aos ventiladores de outras pesquisas, ele permite realizar configurações dos parâmetros necessários para atender a doença do paciente”, comparou Edison Camilo, que faz doutorado em engenharia industrial.

Os testes do Respiral em humanos só poderão ser realizados após aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A equipe já realizou simulações para analisar o desempenho dele em pacientes. “Fizemos um teste do equipamento com pequenos movimentos no ambu (respirador manual) e apresenta sensibilidade de reconhecê-los”, explicou o professor. O projeto também passará por certificação.

Conforme Edison Camilo, o protótipo funciona utilizando um ambu, que faz o aparelho gerar ventilação por meio de um artefato mecânico. O equipamento também possui sensores de fluxo de ar, de pressão e de volume. Permite ainda ser configurado por um profissional de saúde em parâmetros, como frequência, volume, peep, entre outros, por meio de um display touch.

Os ventiladores pulmonares, também conhecidos por respiradores, são aparelhos fundamentais para manterem vivos pacientes em estado grave da COVID-19. Eles servem para dar suporte à função pulmonar da pessoa doente. Atualmente, o Brasil possui 65411 respiradores, sendo que 46663 estão disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS), segundo informações do Ministério da Saúde.

Projeto surgiu a partir de pesquisas de outros países

A ideia de criar o Respiral surgiu há 15 dias quando Camilo viu um equipamento ser desenvolvido em outro país. Então formou-se um grupo para fazer algo semelhante em Alagoas. Além do professor Edison Camilo, integram o grupo Celso Vasconcelos (estudante), Cleberson dos Santos Machado (engenheiro mecatrônico), Bruno Martinelle Souza Costa (estudante), Icaro Santo Ferreira (estudante), Adriano Nunes (médico e jurista), Rodrigo Santos (militar do Exército) e Thiago Ramos Sandes Vieira (engenheiro eletricista).

Thiago Sandes dá informações ao grupo sobre funcionalidade das máquinas, fornece algumas peças e validação do certificado de calibração, além de análise de melhoria do processo. “O intuito maior era servir a população e isso me motivou para ajudar na iniciativa. Trabalho na área de saúde há algum tempo e sei as carências e as necessidades dos hospitais na parte de ventilação mecânica”, comentou.

A equipe criou no site Vakinha uma campanha intitulada Respiral – respirador pulmonar, onde as pessoas podem fazer doações. A meta é arrecadar R$ 12 mil para avançar com o projeto.

Leia também

Conteúdo relacionado

*Matéria escrita com informações do IFAL