Declaração do Ensino da América Latina e do Caribe

Compartilhar

Pare a repressão contra a comunidade negra e contra o racismo nos Estados Unidos

Os professores da América Latina e do Caribe ultrajaram nossa voz contra os contínuos ataques e assassinatos contra a comunidade negra e outras minorias residentes nos Estados Unidos. Nossos povos são o produto de uma miscigenação forçada realizada no período colonial e hoje sofrem a racialização de uma elite supremacista conservadora e branca.

Professores e professoras que diariamente trabalham com nossas crianças e adolescentes, vemos com espanto, como no meio da crise econômica global que afeta os pobres, nossos irmãos são assassinados, como foi o caso do cruel assassinato de George Floyd, em 20 de maio, o que contribui para uma longa lista de crimes estaduais contra a comunidade negra nos Estados Unidos. Fato que detonou a raiva do povo americano.

Compartilhamos, assinamos e reproduzimos a reivindicação de nossos irmãos e irmãs, professores e professoras de Porto Rico que pedem uma parada na repressão, acrescentando nossa voz à da classe trabalhadora norte-americana que respondeu por unanimidade pedindo o fim dos abusos cometidos e militantemente exigem nas ruas a cessação da violência institucional e a disparidade no exercício da Justiça.

Não podemos ignorar que são os negros e as minorias que pagam o preço mais alto em vidas pela negligência da disseminação do coronavírus e pelos efeitos do empobrecimento e da miséria que o sistema econômico neoliberal teve na classe trabalhadora norte-americana. Várias gerações de porto-riquenhos na diáspora dos EUA sofreram discriminação e intolerância à violência racista em primeira mão.

Exigimos que as reivindicações que o povo americano faz hoje nas ruas de suas principais cidades sejam tratadas por meio de respostas efetivas que acabem com as disparidades raciais, econômicas e judiciais e estabeleçam bases firmes para superar as falsas premissas raciais que prevalecem hoje.

Exigimos que as diferentes manifestações do racismo sejam erradicadas, incluindo:

  1. provocar, depreciar e desvalorizar atitudes com motivos raciais;
  2. um sistema que “naturalmente” designa as posições de menor pagamento e destaca aquelas que vêm dos setores marginalizados;
  3. a “coincidência” entre a origem racial dos setores e a ausência de apoio do governo para eles, de escolas, instalações de saúde e oportunidades de emprego adequadas.

Abraçamos as aspirações de nossos irmãos e irmãs que hoje lutam por respeito.

Exigimos uma sociedade justa, livre de discriminação, desigualdade e exploração nos Estados Unidos, na América Latina e no mundo.

Personalidades que assinam:

Mercedes Martínez (Porto Rico), Pedro Hernández (México), Luis Edgardo Salazar Bolaños (Colômbia), Luis Bonilla-Molina (Venezuela), Wendy Méndez (Canadá), Alfredo Velásquez (Peru), Claudia Baigorria (Argentina) Luis Tiscornia (Argentina), Ángel Rodríguez Rivera (Porto Rico), Fernando Lázaro/Fernando Santana (Argentina), Francisco Torres (Argentina), Verónica del Cid (Guatemala), Fernando Abrego (Panamá), Luz Palomino, David Lobão (Brasil), Gustavo Cortés Montiel (México), Denis Solís (Costa Rica), César Valdovinos (México), Yesid González/Carlos Munevar (Colômbia), Laura García Tuñón (Argentina), Eduardo González (Chile), Richard Araújo (Brasil), Rose Mary Hernández (Venezuela), Lev Velásquez (México), Elisabete Búrigo (Brasil), Vanesa Gagliardi (Argentina), Martha Rocío Alfonso (Colômbia), Andrea Lanzette (Argentina), Facundo Fernández (Argentina), Bessy Berrios (Honduras), Anibal Navarrete (Chile), Lourdes de Urbáez (Venezuela), Luis Sánchez (Panamá), Diógenes Sánchez (Panamá), Marco Raúl Mejía (Colômbia), Luis Bueno (México), Sandra Lario (Argentina), Jorge Cardelli, Zuleika Matamoros (Venezuela), José Hidalgo Restrepo (Colômbia), Yorgina Alvarado Díaz (Costa Rica), Carolina Jiménez (Colômbia), Daniel Libreros (Colômbia) e José Cambra (Panamá).

Entidades que assinam:

CNSUESIC (México), Sitep (Argentina), APTEA (Argentina), Utem (Argentina), Sindicato Docente de Chaco (Argentina), Coad (Argentina), FND/CTA-A (Argentina), Unión de Educadores y Trabajadores de la Educación (Porto Rico), Comité Ejecutivo del Foro Por el Derecho a la Educación (Chile), Unión Nacional de Educadores (Equador).

Adesões à Declaração

Para adesões à lista de signatários do texto acima, enviar e-mail para contacto@otrasvoceseneducacion.org.

Download

Baixe aqui a Declaração do Ensino da América Latina e do Caribe publicada acima em formato PDF (formato PDF, tamanho A4, três páginas, idioma espanhol).

Leia também

Conteúdo relacionado