Notícias

Ensino remoto para facilitar a formação de alguns deixando outros para trás? Tô fora!

Muitos justificam a adoção do ensino remoto nesse momento de pandemia pela necessidade de garantir a formação dos estudantes. Mas como assegurar para uns, sem garantir para todos?

Na sociedade meritocrática e opressora em que vivemos, negros e negras, mulheres, LGBTs, jovens da periferia e pessoas com deficiência já têm maior dificuldade de conseguir bons empregos, e ainda recebem salários mais rebaixados.

Não podemos “facilitar” a formação de alguns e deixar outros estudantes para trás. Como será a formação dos estudantes indígenas e  ribeirinhos?

O ensino remoto, em substituição ao presencial, não pode contribuir para ampliar as desigualdades de acesso à Educação e nem aprofundar a desigualdade de acesso ao mercado de trabalho!

SINASEFE e Andes-SN na luta

Passados alguns meses desde o início do distanciamento físico ocasionado por conta da pandemia da COVID-19, se intensificaram as pressões, tanto do Ministério da Educação (MEC), dos governos federal, estaduais e municipais, quanto de muitos gestores, para a retomada do calendário acadêmico, inclusive com ameaças veladas de corte de salário.

Atualmente, são poucas as instituições que têm feito um amplo, democrático e abrangente debate com a comunidade acadêmica sobre o que fazer nesse momento. Em muitas, as opiniões de docentes, discentes e técnico-administrativos foram ignoradas. Resoluções têm sido aprovadas de forma aligeirada, sem considerar dos diversos aspectos envolvidos na retomada do calendário acadêmico de maneira remota.

Para o SINASEFE e o Andes-SN, não basta apenas pensar uma forma que transponha o ensino presencial para o ensino remoto, pois haverá perda de qualidade no processo de ensino/aprendizagem.

Conteúdo relacionado

*Texto produzido pelo Andes-SN e revisado pelo SINASEFE