Notícias

Greve de professores na Argentina

Os professores argentinos pararam em defesa da Educação Pública e dos direitos dos educadores. Por 48 horas, nos dias 14 e 15 de outubro, foi realizada uma greve docente em todas as universidades nacionais do país.

Pauta

A greve foi chamada de “apagão e desconexão total” pela categoria e reinvidicava:

  1. imediata recomposição salarial, não inferior à inflação acumulada;
  2. compensação por gastos ocasionados pelo ensino remoto a partir dos lares dos docentes;
  3. resolução da precarização do trabalho docente.

Luta na pandemia

Diante da pandemia da COVID-19 e da indefinição/incerteza em relação às produções e eficácias de vacinas, mas com os governos – na contramão da situação – aumentando as medidas de flexibilização quanto ao distanciamento social, a greve de docentes argentinos protestou contra qualquer ameaça de retorno presencial das atividades letivas e contra a naturalização do ensino remoto – que é tratada pelos grevistas como uma modalidade excepcional e transitória, não podendo ter caráter permanente.

Entidades

A greve docente em todas as universidades nacionais da Argentina foi organizada pela Federação Nacional de Docentes, Pesquisadores e Criadores Universitários (Conaduh), com apoio da Central de Trabalhadores da Argentina (CTA).

Vídeo

Assista abaixo o vídeo de convocação da greve docente que foi produzido pela Conaduh: