SeçõesNotíciasPolítica

Trabalhadores civis deflagram greve sanitária no CMRJ

Trabalhadores civis do Colégio Militar do Rio de Janeiro (CMRJ) deflagraram, nesta segunda-feira (14/09), uma greve sanitária contra o retorno das aulas presenciais na instituição. A categoria deliberou pelo movimento paredista, por tempo indeterminado, por compreender que não existe segurança de saúde pública para um retorno imediato ao trabalho presencial no colégio.

Greve contra retorno presencial e/ou semipresencial
A deliberação da Seção Sindical do CMRJ, aprovada com unanimidade, está em consonância com a deliberação nacional do SINASEFE, tomada desde a 163ª PLENA: Greve imediata caso ocorra retorno presencial e semipresencial das aulas sem que a pandemia de COVID-19 esteja controlada: com a redução drástica do número de novos casos e óbitos diários ou sem que haja vacina comprovadamente eficaz contra a COVID-19, distribuída pelo SUS para todos.
Essa deliberação já foi informada, desde julho, ao MEC e ao Ministério da Defesa.

Sem condições de retorno
O SINASEFE compreende que não existem condições de retornar as atividades letivas, sob pena de grave risco à saúde e à vida dos servidores, alunos e familiares. “Somente haverá possibilidade de trabalhar se existir segurança declarada por órgãos ligados à saúde, como, por exemplo, o Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (Cebes) e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), defende o sindicato nacional.

Tentativa de intimidação
Professor do CMRJ, Marcelo Assunção, durante entrevista à Rede Globo, na manhã desta terça-feira (15/09), foi alvo de intimidação por parte dos militares que comandam o colégio. Em sua fala, realizada às portas do colégio, Marcelo denunciou, no jornal local, a ilegalidade da retomada das aulas presenciais, além de comentar o movimento paredista em curso. Após conceder a entrevista, o professor foi questionado pelos militares, que também haviam falado com a imprensa, sobre a seção sindical não ter informado a greve ao comando. “Obviamente o questionamento não tem consistência, já que cumprimos todos os trâmites legais e nossa greve é legítima e muito necessária para assegurar a vida de trabalhadores e estudantes. O ministério da Defesa já está ciente desde julho da deliberação, e o comando local foi oficiado na sexta-feira (11/09), além de termos enviado e-mails sem receber qualquer resposta dos gestores” explica Marcelo.

Ação na justiça
Além da greve, a seção sindical também se mobiliza juridicamente contra a retomada das aulas no colégio. “Entramos na Justiça Federal da 2ª Região (1ª Vara Federal do Rio de Janeiro) peticionando pelo fechamento do CMRJ à aulas presenciais” destacou a assessoria jurídica local.

Veja também

Professores do Colégio Militar entram em greve por segurança na volta às aulas (TV Globo)

Conteúdo relacionado

instagram default popup image round
Follow Me
502k 100k 3 month ago
Share